Nossos Passos

A vila - das mentes para o papel

Atualmente temos a terra, mas moramos somente em uma família, apesar de ter 8 famílias como sócias.

Escolhemos por começar nosso desenvolvimento pela solução jurídica antes de avançarmos nas questões de terra e moradia. Nesse processo foram dois anos de reuniões para consolidação do grupo e da associação.

Quando conseguimos achar e comprar a terra, o local físico de nossa ecovila, passamos a fazer nossos planos de implantação das moradias. Foram várias reuniões onde conversamos sobre nossos sonhos, expectativas, formas de convívios (lavanderia, dispensa e restaurante comunitários, coreto, árvores frutíferas nos caminhos, etc.). Hoje temos uma planta de implantação da ecovila, resultado dessas conversas.

Bom, com a terra vem a manutenção e essa atividade tomou e toma muito de nosso precioso tempo, pois todos os sócios hoje vivem de atividades externas a ecovila.

Mesmo assim temos, com ajuda de amigos, praticado um pouco das atividades de permacultura e agro floresta. Já fizemos eventos com os escoteiros para plantio de mudas perto do riachinho que marca uma de nossas divisas, implementamos o tratamento de águas cinzas com rodas de bananeiras (até já colhemos delas) entre outras pequenas atividades.

Agora estamos nos esforçando para focar no projeto e construção da vila de nossa ecovila. Não temos como desenvolver qualquer outra coisa se não vier mais pessoas morar aqui.

Depois de quatro anos vivendo no local da ecovila, posso dizer que a terra é abençoada. Depois de seis anos de convivência com o grupo, posso dizer que são pessoas maravilhosas e firmes no propósito de realizar esse projeto que está tão perto de ser materializado.

Temos um grupo de amigos em processo de inserção na associação. Atualmente estamos conversando sobre a forma de organização da convivência.

A questão toda é como vamos nos organizar uma vez morando todos na ecovila ? Como serão as trocas ? Teremos relações de “patrão-empregado” ? Todos deverão fazer tudo ( através de rodízios de função, etc.) ?

Como nosso processo de decisão é por consenso (até hoje não precisamos usar o voto), o tempo para chegarmos em uma conclusão é maior, mas infinitamente mais gratificante.

E vamos que vamos.

Quem quer ajudar a transportar a vila das mentes para o papel ?!

 

Onde Estamos

Temos muito o que dividir do processo que passamos até chegar onde estamos. Vários amigos estiveram conosco em nossas diversas fases. A vida foi se encarregando de mostrar seus e os nossos caminhos, e hoje estamos com 8 famílias participando ativamente.

Na ata da Fundação (2006) temos registrados 22 sócios fundadores. Hoje, temos 15 na associação e mais 7 amigos e, acho que posso dizer, mais 7 torcedores pelo projeto. ;-)

Apesar da associação ser individual, o número de cotas é por família. No nosso caso atual, temos 8 sócios titulares e 7 sócios moradores. Pensamos que 20 famílias (uma média de 4 membros por família), é um número que podemos lidar uns com os outros, daí o limite de 20 cotas. A situação ícone é a assembléia. Imaginamos que com 40 à 50 pessoas (afinal, os filhos também poderão participar) poderemos dar voz a todas e então conseguir continuar a perseguir o concenso ao invés do voto.

Quando compramos a terra, havia somente uma casa habitável que é ondemos moramos atualmente. Reformamos uma outra casa geminada, que foi moradia dos caseiros até alguns meses atrás. Junto da casa que moramos, tem praticamente uma outra casa que chamamos de "pousadinha". É nela que fazemos nossas reuniões e usamos de hospedagem.

Nenhum dos sócios atuais vive da terra (daí os 15 Km da cidade). Para muitos, morar na ecovila é um projeto de longo prazo. Atualmente, temos 5 famílias, incluindo a minha, desenvolvendo o projeto de suas casas. Queremos desenvolver projetos com baixo impacto ambiental e que aproveitem os recursos naturais (vento, sol, chuva, etc.), além de buscar baixar o custo em material (devido ao volume) e mão de obra (escolhendo técnicas similares).

Sobre a aquisição do terreno, ele nos custou, mais ou menos, R$ 36.000,00 por cota, quando tínhamos 11 cotas. Na ocasião, Deus nos mandou um benfeitor anônimo que nos emprestou o dinheiro que precisávamos para completar o que já tínhamos para comprar o terreno, possibilitando a vários cotistas parcelar sua cota.

Por isso, hoje temos o "Título Patrimonial" cujo valor é referente ao valor que ficou para cada cota na compra da terra. Infelizmente, não sei lhe dizer bem quanto é o valor hoje. Atualmente, para manutenção da terra, pagamos cada cota R$ 150,00 reais.

Com o passar do tempo e principalmente depois de desenvolvermos o projeto de ocupação da terra, identificamos que na verdade um terreno de 400 mt2 seria suficiente para todos. Os que queriam terrenos maiores era porque queriam um certo isolamento de som, o que pode-se conseguir com a alocação da casa mais distante das outras, entre outros recursos. ;-)

Agora, nada impede que um sócio queira ter uma área privativa (terreno) maior. A única diferença é que ele terá uma área maior para cuidar.

Na verdade, como a terra toda e a casa construída é de posse da associação (o sócio na verdade tem a posse de títulos), o tamanho do terreno acaba não influenciando muito, afinal, toda a parte física é de todos os sócios, o que muda são as regras de uso. Você poderá ver mais sobre isso no Regimento Interno e no Estatuto.